Sorte precisa-se e soluções não faltam

Ora muito boa tardinha,

A vida anda difícil em muitas partes deste mundo, que o digam os gregos, mas não em todo lado. Esta semana deparo-me com uma notícia acerca de uma start-up japonesa que pretende vender estrelas cadentes. Isso mesmo, estas pessoas pretendem colocar um satélite em órbita para lançar uma bolinha que irá arder ao entrar na atmosfera, proporcionando uma experiência semelhante à de uma estrela cadente. Isto pela módica quantia de 8 mil dólares. Ora, eu já vi pelo menos duas estrelas cadentes, são bonitas, mas eu preferia gastar 8 mil dólares numa viagem, ou numa outra coisa que dure mais do que um segundo. Quiçá, numa garrafa de vinho. É também um gasto excessivo, mas ao menos durante uma hora sabia o que era viver à patrão.

Eu fiquei a pensar se uma coisa destas também contava para se pedir um desejo. É que até pode ser um bom investimento, porque pelas minhas contas 10 milhões de euros dá para mais de 1250 estrelas cadentes, que devem ser mais do que suficientes para ganhar o Euromilhões e esse é sempre o prémio mínimo. Além disso, isso era a prova dos nove relativamente a coisas que se acredita que concretizem desejos. Ou então era só coincidência. Eu acho que se fosse verdade que realizassem desejos isto devia ser regulamentado, porque aumentava o fosso entre ricos e pobres, pois assim já nem a sorte podia dar para o pobre se fazer rico. Mas pronto, eu não acredito nada em coisas de pedir desejos.

Quando era pequeno e rezava, uma vez pensei, em jeito de desejo, que gostava de ter uma N-Gage. Nunca tive, por isso virei agnóstico.

Mas, até se percebe, eu se tivesse um filho e ele todas as noites me repetisse sempre a mesma lengalenga eu dava-lhe mas era um banano no focinho. Há quem também lance moedas para as fontes e lagos. Fazem isto na esperança, talvez, de que a interação química entre a moeda de 20 cêntimos e a água altere as trajetórias de Saturno, que por sua vez induzam uma reação física no Sol, que com uma bufa solar vai bafejar o tipo que lançou a moeda com sorte, concedendo-lhe um desejo. Além disso, isto é jogar ao mata com os peixes vermelhos dessas fontes e lagos; sorte a deles que estão na água, senão o que se decidia que dava sorte era a queima do peixe vivo. O clássico trincar as velas de aniversário também é uma coisa ancestral que necessita de ser feita para que os desejos se cumpram. Uma vez pedi um desejo, mas não trinquei as velas. Deram-me na cabeça, mas o que é certo é que o desejo não se concretizou! Eu fiquei, obviamente, convencidíssimo de que deveria ter trincado as velas. No ano seguinte trinquei, mas o desejo não se concretizou na mesma. E então explicaram-me que além de trincar as velas, atirar moedas ou ver estrelas cadentes, também é preciso saber pedir desejos. Pelos vistos engatar a Alexandra Daddario não é concretizável. Tem que ser coisas mais realistas, tipo comer uma peça de fruta ou assim, que até faz melhor à saúdinha. No ano seguinte disseram-me que a probabilidade de o desejo se concretizar aumentava se trincasse as velas debaixo da mesa. Assim fiz. Pedi melancia, o meu fruto favorito, mas quando cheguei a casa a minha mãe só tinha comprado maçãs nessa semana. Amarelas e farinhentas, ainda por cima. Há também quem diga que pedir desejos na passagem de ano é bom. Parece-me que um dos desejos mais pedidos deve ser faturar até ao final da noite; o arrependimento mais comum do primeiro de janeiro deve ser não ter pedido o desejo de não ter ressaca no dia seguinte.

Depois há ainda os objetos da sorte. Trevos de quatro folhas, ferraduras, sapos da sorte… E pés de coelho! Agora há umas coisinhas peludas para simular os pés de coelho verdadeiros (veja-se a facilidade com que se engana as entidades da sorte com uma bijuteria qualquer dos chineses), mas antes tinha mesmo que se matar um coelho. Isto pode dar sorte, mas é um bocado de mau tom. Eu pelo menos não gosto de falar com gente porca, quanto mais quando essa gente tem um objeto em putrefação ao pescoço. A origem disto, segundo a Wikipedia, é ainda mais interessante do que darem sorte. Ao que parece, antigamente as pessoas dormiam junto dos animais. Nisto, as mulheres, tirando vantagem do seu género (já na altura se notava discriminação, mesmo sem haver discotecas e bebidas à pala) deixavam as lebres mamar dos seus seios para aproveitarem o calor da proximidade do animal. Dito isto, só tenho a dizer que ainda bem que a origem deste amuleto não tem por base uma história envolvendo homens.

E com isto termino.

Tomate de Barcelos

Hannibal e a pirataria!

Bom dia, bom dia

Como estais fiéis leitores? Eu cá não estou bem! Não é que cancelaram Hannibal? Mas este pessoal está tolo ou quê?

As razões dadas pela NBC recaem nos elevados custos e na baixa audiência que a série televisiva tinha. Há ainda quem dê teorias que um dos principais motivos ser a falta de direitos e a falha nas negociações para o aparecimento da agente Starling na temporada 4.

Se esta teoria for a verdadeira razão, caímos num problema atual que se chama “direitos”. Os direitos têm sido uma dor de cabeça para diversos canais, produtoras e distribuidoras. Porque infelizmente depois de vendidos eles pertencem ao seu comprador. Eu sei que as coisas são assim e que se eu compro uma coisa ela é minha e de mais ninguém. Mas se eu não a uso e alguém lhe pode dar um bom uso, esta coisa não deveria ser transmissível? Na minha opinião sim. Principalmente quando falamos de histórias e personagens em filmes. Apesar de já se começarem a fazer apenas contratos por pequenos períodos de tempo, alguns contratos eternos foram feitos sobre algumas histórias e personagens bem conhecidas. Hannibal poderá ter sido a sua mais recente vítima, porque quer queiramos quer não (principalmente para quem leu os livros ou viu os filmes) a agente Starling é uma peça fundamental no desenrolar da história. Mas sinceramente acho que não foi isto que matou Hannibal, eu acho que o distribuidor tem razão, e o que matou Hannibal foi mesmo o elevado custo em relação às audiências que tinha. Mas como se milhões de pessoas em todo o mundo seguem a série? Sim, isso mesmo, a pirataria poderá ter feito a sua primeira vítima. Ninguém que segue séries e filmes pode afirmar que não faz pirataria nenhuma. Todos nós fazemos porque queremos ter acesso aos conteúdos mais recentes, mas nenhum de nós pensa no real prejuízo que traz a uma série. Eu, por exemplo prefiro neste momento pagar e ter os conteúdos disponíveis com qualidade decente e saber que estou a contribuir para o bom desenvolvimento da indústria do entretenimento. Hannibal não é a primeira série a ser cancelada por falta de audiência, Firefly e Rome eram duas séries adoradas e que foram também prematuramente canceladas, no entanto estas existiram numa era em que o fenómeno das séries de TV não era tão acentuado. Assim tenho acesso a Game of Thrones à segunda feira (um dia após estrear nos Estados Unidos), Walking Dead também um dia após estrear nos Estados Unidos e vou muitas vezes ao cinema. Parecem pequenas coisas, e muitos hão de dizer que não é o meu dinheiro que faz diferença, mas é.

Felizmente a partir do final deste ano o NETFLIX entrará no nosso país! e aconselho toda a gente a aderir. Não são pelo vasto conteúdo a que vão ter acesso, mas pelo apoio que dão à indústria do entretenimento. Por cada música que ouvem no spotify, por cada filme que vêm no NETFLIX, os autores recebem um certo valor. Por isso usem merdas legais que todos lucramos com isso.

SPOILER ALERT (Game of Thrones): Cá para mim e para ficarem descansados, Hannibal vai ser o Jon Snow das séries, todos sabemos que morreu, mas todos ainda temos uma forte esperança que volte! xD

END OF SPOILER

Como estamos numa semana LGBT, aconselho todos a ver um filme onde esse tema é muito forte, por isso aqui fica o filme.

Philadelphia

Um verdadeiro drama sobre os tempos onde ser gay era visto como um problema.

Interpretações: 8/10

História: 8/10

Produção: 7/10

Nota Final: 8/10

Adeus, Adeus

Tomate de Ferreiros

Capítulo Décimo Quarto – Obama Super Star e a desilusão de uma família

Irmãos Tomateiros,

     Lembram-se de vos ter dito que haveriam semanas em que tudo acontecia? Pois aqui está o melhor exemplo disso mesmo. Entre gatos queimados, atentados, quedas de ex-primeiras damas e cantorias presidenciais, a semana foi uma montanha russa de casos. Foi difícil escolher o caminho, mas depois de escolhido não há volta a dar. Não me vou alongar sobre queimas de gatos, apenas digo isto:

À e tal, se for o Estado Islâmico a prender pessoas em jaulas e ver o que acontece, é terrorismo e eles são muito maus e é preciso fazer alguma coisa, se for em Vila Flor já é tradição e não tem mal.

     Avançando para outros massacres, no dia dezassete de junho o “menino” Dylann Roof entrou numa igreja na Carolina do Sul e desatou a matar gente. Ao contrário dos atentados apelidados de terrorismo, este não foi nem por questões religiosas nem organizado pelo ISIS, Al-Qaeda ou outra organização deste género. Este atentado foi executado numa igreja maioritariamente frequentada por negros, por uma pessoa norte americana de vinte anos, que tinha a intenção de iniciar uma “guerra racial”. Ora bem, sem querer ser preconceituoso, já que é daqui que estes males vêm todos, este rapaz devia ser um daqueles rednecks típicos do Texas, com uma carrinha de caixa aberta e que tem relações sexuais com ovelhas. Mas agora se olharmos para as consequências disso, este moço passou a ser a desgraça da família Roof. Este jovem estragou a típica vida deste tipo de pessoas, o que só me faz lembrar os ataques do Charlie Hebdo, e já passo a explicar.

     Em Paris, os atentados tiveram base religiosa já que eles caricaturavam Maomé. Depois da morte de muita gente naquele edifício decidiu-se que a edição seguinte voltaria a ter o Maomé na capa, um claro “não cedemos ao que querem fazer”. Para além disto, tornou-se mais difícil “fazer terrorismo”, com o aperto da segurança na Europa. Nos EUA para além de não ter sido iniciada uma guerra racial, muito pelo contrário, vão proceder a revisão da lei das armas. Para além disto, o Mr. Obama ainda canta o Amazing Grace durante as cerimónias de homenagem às vítimas. Para quem não sabe, o Obama é negro e isso deve fazer comichão àquela gente toda. E só para finalizar o K.O. dos conservadores todos, as bandeiras confederativas passaram a ser tabu, graças a deus nosso senhor bendito. E a melhor de todas, casamento homossexual legalizado em todos os estados, sem recorrer a referendos ou lá o que se faz naquelas bandas, pleno direito assim do nada. Well done America! A familía do Dy deve estar orgulhosa do despoletar de acontecimentos que a rebeldia do filho originou. Acho que se proibissem as relações com ovelhas e primas nos estados deste género aquela gente avançava para a independência, não aguentavam mais restrições à sua pacata vida.

     Mas aqui em Portugal não há gente assim, pensam vocês. Eu também achava que não, até ver alguém ligar para um programa televisivo para comentar os incidentes entre a polícia e os adeptos do Benfica. A pergunta da senhora é, e passo a citar, “porque não batem em pretos e ciganos?” A cara da jornalista diz tudo e com isto me despeço.

P.S. – Em vez do Obama pensem no Cavaco a cantar o Hosana nas Alturas

Tomate do Bárrio

SpaceX. E espaço está cada vez mais perto!

Caros Leitores, Já aqui falamos de Elon Musk, fundador da Tesla. Ele tem outra companhia chamada de SpaceX, que tem como objectivos, baixar o custo e a fiabilidade das viagens ao espaço. O plano da empresa, em 2004, chamado de “desenvolvimento de um produto de carga pesada e super-pesada se assim os clientes desejarem”. Isto significa que em que cada aumento de tamanho, resulta numa redução do custo por kilo em órbita. Elon Musk terá mesmo declarado que 1.100 dólares/kg ou menos seria viável. O SpaceX ganhou atenção mundial por ter conseguido uma série de marcos históricos:

  • É até hoje a única empresa privada a retornar uma nave espacial desde a órbita baixa da terra em segurança dezembro de 2010).

  • Em maio de 2012 com a sua nave Dragon conseguiu efectuar trocas de cargas úteis com a Estação Espacial Internacional (ISS) e voltou em segurança à Terra, um feito que estava reservado aos governos dos grandes países.

Ao abrigo de um contrato de 1,6 mil milhões de dólares com a NASA, a SpaceX vai voar várias missões de reabastecimento de carga para a ISS, espera-se que a SpaceX consiga levar tripulação também. Dragon foi projetado desde o início para levar astronautas e agora, sob um contrato de 440 milhões dólares com a NASA, a SpaceX está a fazer modificações para que o Dragon consiga efectuar o transporte de tripulação. SpaceX tem o mais rápido crescimento como fornecedor mundial de serviços de lançamento. Lucrativo e com um fluxo de caixa positivo, a empresa tem cerca de 50 lançamentos planeados, o que representa cerca de 5 mil milhões de dólares em contratos. Estes incluem lançamentos de satélites comerciais, bem como missões da NASA . Atualmente em desenvolvimento está o Falcon, que será o foguetão mais poderoso do mundo. A SpaceX está continuamente a trabalhar em direção a uma das suas metas de desenvolvimento, a de criação de foguetões reutilizáveis, um feito que vai transformar a exploração do espaço, oferecendo veículos altamente confiáveis a ​​custos radicalmente reduzidos. É a criação destas naves espaciais reutilizáveis que penso que irão revolucionar as viagens ao espaço, fazendo com que se tornem mais baratas e mais frequentes. Desta forma poderemos estar a olhar para um futuro em que as viagens ao espaço sejam normais, o que vai trazer mais investimento e consequentemente criação de melhores naves. Uma ida a Marte poderá não estar assim tão longe. Já imagino a tomatada que seria no planeta vermelho.

Até uma próxima,

Tomate da Lixa

Ciúmes equivocados e um sonho de mulher

Tomateiros, Tomateiras!

Hoje o meu post ora é direcionado para os Tomateiros, ora para as Tomateiras, sendo assim cá vai ele.

Tomateiros!

Quantas e quantas vezes não chegam da praia com o braço todo roxo? Falo especialmente das cotoveladas das vossas  mulheres e namoradas que recebem carinhosamente por estarem a apreciar outras mulheres em bikini,  triquini ou tetrini… Mas isto tem de acabar,  o homem tem esse direito de olhar e eu tenho os argumentos para isso.

Tomateiras!

Parem com isso… A prova está no vídeo a seguir que prova que os homens têm este comportamento porque estão geneticamente codificados para isso, portanto não há como fugir. E mais,  nós só queremos viver o momento e apreciar um belo par de “Joãos Portugais” ups enganei-me no ex-excesso! (aos leitores que não cresceram nos anos 90,  peço desculpa).

Voltemos ao que interesse, está explicado que os homens apagam aquela memória feliz e não pensam depois nessas mulheres nem comparam com vocês. Não vale a pena continuarem a gastar a pele do coto com isso.

Tomateiras, Tomateiras!

Sigam este exemplo:

Eu sou um feliz contemplado que tenho uma namorada que faz questão de me avisar quando passamos na rua ou na praia por algo que merece ser apreciado.

Às vezes até venho distraído e acabo por levar uma cotovelada (mas que ironia!) mas vale a pena, e não dói tanto. Portanto, sigam este excelente exemplo.

Tomateiros!

Esta já está ocupada,  podem olhar mas arredem.

/**********************/

Cover desta semana é o Circo de Feras dos Xutos e Pontapés por Ornatos Violeta.

Acordes da original aqui ou aqui, consoante os gostos 🙂

/**********************/

Não coma só tomates, coma também banana e até para a semana!

Tomate de Niterói

Os 5 factores a ter em conta quando se escolhe um filme para ver com os pais.

Bom dia, Bom dia

 Eu sei que é quinta, mas hoje o tomate é ferreirense, e como tal trouxe um tema bem cinematográfico para partilhar convosco.

Já alguma vez viram filmes com os vossos pais? Eu já vi muitos e muitas vezes alguns filmes conseguem proporcionar momentos muito constrangedores e criar discussões sobre a veracidade ou qualidade de um filme. Por isso se vocês estão no grande dilema da escolha de um filme que agrada a todos (e os vossos pais não são daqueles que adormecem nos primeiros 10 minutos do filme), vou-vos presentear com um guia intitulado: “Os 5 principais factores a ter em conta quando se escolhe um filme para ver em família numa sexta feira à noite”. Atenção, este estudo sério é puramente baseado numa amostra de 2 pessoas, na casa dos 50 que não são muito entendidos em ciências, mas que percebem da vida em geral.

1. Filmes sobre aventuras no espaço ou ficção cientifica.

Pois é, aqui está o primeiro factor. Se são “homens” da “ciência” como eu, devo-vos avisar que vão passar um mau bocado. Primeiro vão questionar tudo o que se passa no filme e vão dizer que não faz sentido. Depois vão começar a entrar na parte “cientifica” e começam a duvidar de conceitos como “anos-luz”, “teorias da relatividade”, “buracos negros” e cenas do género, alegando que  na bíblia não tem nada disso escrito…

O ultimo que vi com eles foi o “Interstellar” por isso devem imaginar o quão fui sofrendo ao longo do filme com afirmações como “Que estupidez”, “Este filme não tem lógica nenhuma”, “Como se fosse possível ir a outro planeta”. Um conselho, não discutam ciência e religião com pessoas mais velhas que vocês.

2. Filmes que vocês pessoalmente gostaram.

Se vocês gostaram de um filme, então muito provavelmente os vossos pais vão arranjar mil e uma críticas ao filme. E por vezes até vos podem convencer que afinal o filme não é o que vocês pensavam. Como os pais são uma raça, que geralmente comenta o que não gosta e o que gosta, mais tarde ou mais cedo eles vão mandar uma crítica a uma personagem ou a uma plot hole no filme e vocês vão tentar explicar ou defender e lá no fundo no fundo só vão conseguir discutir um bocadinho e perder 5 a 10 minutos do filme. Comédias que vocês gostaram podem também ser filmes muito perigosos para ver com os pais, lembrem-se sempre, algumas piadas em alguns filmes são demasiado negras ou porcas para os vossos pais se rirem, por isso o Ted nunca é um bom filme para ver em família. Um conselho, vejam filmes que vocês gostam com pessoas da vossa idade e com os mesmo ideais que vocês.

3. Filmes com muitas cenas de sexo.

O clássico dos clássicos! Antes de escolherem um filme informem-se sobre a quantidade de sexualidade e cenas impróprias para menores de 18 que este contém. Quando essas cenas começarem, acreditem em mim, vai sempre surgir um awkward silence, vocês não vão querer olhar para a cara dos vossos pais, nem ninguém vai comentar nada do que o filme vos está a oferecer. Se o filme tiver uma ou outra cena de sexo não é crítico, desde que esta não demore mais de 2/3 minutos. Um conselho, evitem ver o Nymphomaniac em família.

4. Filmes de terror.

Nem tentem, é um conselho muito sério. Eles vão criticar o filme o tempo todo! Vão dizer que os atores são maus, que a história é péssima e que as principais cenas do filme são muito falsas. Vão-vos culpar ainda por terem posto o filme, vão-vos culpar por todos os sustos que apanham e provavelmente vão desistir de ver o filme a meio e vão dormir mais cedo. No dia a seguir vão ainda ser culpados por eles não terem dormido bem. Além disso nas cenas mais assustadores, por muito que soltemos uma pinguinha, temos sempre que dar uma noção de forte e de que o filme não nos afeta. Um conselho, vejam sozinhos que dá uma adrenalina do c***lho.

5. Filmes com histórias dramáticas demasiado intensas.

Se há coisa que ninguém consegue ver, são os nossos pais com uma lágrima no canto do olho. Por isso pensem bem no filme que vão escolher! Pois estamos perante o efeito bola de neve, caso algum deles comece a chorar a mim dá-me sempre vontade de chorar também, e além de perder toda a minha masculinidade faz a nossa sala parecer um encontro anual de carpideiras (googlem isto). Um conselho, guardem estes dramas para ver com as namoradas, pode ser que lucrem.

Conclusão, digam aos vossos pais para escolherem os filmes, é mais seguro e a culpa vai sempre ser deles! O unico problema é que vão acabar a ver um filme do Steven Seagal porque esses é que são bons! Vá, por hoje está tudo, fiquem só com o filme da semana.

Capturar

The Kings of Summer

Um drama sobre 3 rapazes que decidem mudar a vida durante um verão.

Interpretações: 8/10

História: 8/10

Produção: 7/10

Nota Final: 8/10

Adeus, Adeus

Tomate de Ferreiros

Enquanto houver Santos, já não se vai mal de todo

Boa tarde caros leitores desta salada,

Como aqui a salada não deixa passar nenhum ponto alto da atualidade mundial, não se podia deixar de falar dos santos populares em pleno dia de S. João. Esta festa tão tuga, e que em certa medida contribui para a pesca intensiva e talvez a diminuição da sardinha, continua a encher ruas. É isto e o bacalhau, o que vem mostrar que quando o tuga gosta de uma coisa espreme-a até não poder mais. Veja-se a novela Jorge Jesus, que até quando o homem vai cortar o cabelo dá notícia, tal é o carinho por essa personagem do nosso futebol, ou ódio, depende. Mas o que interesse (peço esta palavra emprestada ao Tomate de Niterói) é que eu acho bem estas festas que agradam a todas as idades, que o nosso povo também precisa de esquecer as mágoas em tempo de crise. E assim a malta também se abstrai um bocado das notícias da Grécia, que aquilo anda mal por aquelas bandas.

Mas voltando aos Santos Populares. Temos, portanto, o Santo António, o casamenteiro. Aqui organizam-se os conhecidos casamentos de Santo António, que eu tanto aprecio de ouvir falar. Sim, que não há paciência para as transmissões televisas. Pois celebre-se o amor, e dê-se uma festa especial aos noivos. À noite lá temos as marchas populares. Confesso que, pessoalmente, não aprecio ver essas transmissões. Não aprecio porque não me dizem grande coisa, dada a distância, e se me perguntarem que bairros há, só me ocorre Alfama. Mas pronto, até não acho mal de todo, porque há malta que deve gostar de ver aquilo. E se é para transmitir marchas, ao menos que sejam de uma coisa portuguesa, e deixem lá os carnavais de terras lusas sossegadinhos, que toda a gente gosta de ver as moças dançar o samba, mas fica um bocado ridículo se for a levar com chuva e vento no lombo.

O S. João eu conheço um pouquinho melhor. Não por ser da terra deste Tomate, que aqui temos a Festa das Cruzes, mas porque até tenho especial carinho por Braga. Qualquer dia irei falar da lenda das cruzes de Barcelos e como me despedaçaram um bocadinho a infância em 10 segundos há uns anos. Pois parece que Braga reclama ter as festas sanjoaninas mais antigas do país. Apesar de o martelinho ser proveniente do Porto. Segundo apurei, os estudantes do Porto queriam uma coisa que fizesse barulho para usarem na Queima das Fitas. E o sucesso foi tal que depois se estendeu às festas de S. João. Hoje não há quem não tenha já tido o seu martelinho e tenha distribuído marteladas a torto e a direito. Aqui há algumas variantes. Há aquele que compra o martelinho porque é tradição, mas depois não está para se chatear e não dá com ele em quase ninguém. Para contrastar, há aquele que não para com ele quieto, vai a descer as avenidas e é sempre a aviar. Há o que não tem noção da força e que dá com quanta tiver; aquilo ainda dói um bocado e se for dos martelos grandes depois de umas quantas pancadas começa-se a evitar estas pessoas. Depois há, ainda, o vingativo; este não faz grande coisa, mas também não está pela desportiva, que quando leva uma martelada vai atrás da pessoa e mostra o “sem-noção-da-força” que há em si. Numa outra categoria, também já vi gente com um martelo ou marreta de verdade. Sim, daqueles em ferro. E eram pessoas que tinham aspeto de quem não tinha medo de usar. Uma coisa é certa, esses não levavam marteladas de ninguém. A festa é gira e as pessoas são divertidas. Podia era evitar-se o alho-porro. Aquilo parece divertido à brava, a não ser que vos enfiem a planta pela boca dentro enquanto conversam.

O manjerico é típico no Santo António e no S. João. E engane-se quem julga que aquilo é só um arbusto e que é um dos negócios da China. Diz por aí que é afrodisíaco. Acho que isto explica um bocado o porquê de as pessoas gostarem de andar de martelo em riste nesta época, com esse cheiro todo pelo ar. Mas atenção, que ter um manjerico é uma responsabilidade, não é só bonito enquanto é pequenino e fofinho. Exige carinho, segundo dizem especialistas. Às tantas é como as vacas que o Tomate de Fraião referiu ontem, que quando tem nome dão mais leite. E se for realmente afrodisíaco, vale a pena tratar bem dele e vê-lo crescer.

Falta falar das festas do S. Pedro, mas dessas não sei grande coisa, por isso fico-me por aqui hoje.

Tomate de Barcelos

Porque a ciência também pode ser parva (Parte I)

Olá a todos,

Provavelmente vieram aqui à espera de uma conversa sobre cinema, mas hoje foram completamente enganados. O realizador aqui da salada foi chamado de urgência para Hollywood e foi-me confiada a honra de escrever esta terça-feira. Como se devem lembrar (ou não), eu de filmes percebo muito pouco. Mas não desesperem, vão continuar a ter um filme da semana, vai ser é na quinta-feira.

Bem, agora refeitos do choque da mudança de autor devem estar a pensar que tema de eleição reservei para este dia. Algum de vocês é adepto da ciência e das descobertas científicas que vão havendo ao longo dos tempos? Eu sou, mas para quem pensa que os cientistas são essenciais para a humanidade e para o nosso desenvolvimento, digo-vos já que nem todos o são. É que enquanto por um lado existem os Prémios Nobel, aqueles prémios que são tipo os Oscars, mas para o pessoal nerd; existem também os IgNobel. Alguém daí sabe o que são? Provavelmente não. São uma espécie de Razzies, mas não tem nada a ver. (Viram como até consegui introduzir o tema de cinema no meu texto de forma muito subtil?). Isto porque os Razzies premeiam os filmes mais fracos do ano e os Ignobel valorizam aqueles estudos científicos que falam de temas dos quais tiveram que se lembrar numa noite que teve de passar de certeza por várias garrafas de whisky. Mas apesar de serem temas parvos, são coisas bem feitas e fundamentadas. Vou-vos então falar de alguns:

Todos concordam que o Mundo Animal é fantástico e tem ainda muito por descobrir, não é verdade? Eu concordo, e as pessoas do meio também, porque seria a única razão para provarem que as avestruzes se excitam na presença de humanos. Ah pois é meus amigos, se estiverem sozinhos na vida e tristes porque ninguém vos quer, apenas necessitam de ir ao Zoo mais próximo e têm logo grandes probabilidades de encontrar um parceiro que vos agrade. Têm é que ter cuidado com esses animais, são capazes de ser um bocado brutos, mas há sempre quem goste, até porque parece que o Mr. Grey agora anda na moda.

E para não sair do tema da atividade sexual de animais, ficam a saber que num belo dia de Verão, um professor olhou pela janela do seu gabinete e viu um pato em cima de outro que não se mexia. Com receio que estivesse a haver uma violação, foi rápido ver o que se passava para chamar as autoridades competentes. Afinal depois de lá chegar, não estava a acontecer nenhuma violação, porque, para espanto de todos, o pato não se mexia porque estava morto. E para um espanto maior, os dois patos eram machos. Meus amigos, aqui nasceu o estudo que comprovou a existência de necrofilia homossexual entre patos. É claro que tinha que merecer um IgNobel, até porque pela nojice de ter de pegar nos patos para os estudar, este senhor merecia logo um Nobel. Isto só mostra que afinal não são apenas os humanos que têm fetiches estranhos, porque estes patos conseguem ser bem malucos.

E porque nem tudo no mundo animal tem a ver com sexo, ficam a saber que as vacas são animais muito requisitados pelos cientistas. Alguém sabe quais são as vacas que dão mais leite? São aquelas que têm um nome, sim porque as vaquinhas são muito sensíveis e têm de ser muito bem tratadas, mas têm de ter cuidado com o nome que lhe dão. Mimosa parece-me adequado, mas se calhar Cátia Vanessa é capaz de não funcionar tão bem. Além disso, e agora tenham atenção porque é capaz de ser confuso, ficam a saber que quanto mais tempo uma vaca estiver deitada mais provável é ela levantar-se, mas depois de ela se levantar é difícil prever quanto tempo vai demorar até ela se deitar. Basicamente estes cientistas conseguiram criar um novo desporto, um campo cheio de vacas, e apostar naquela que se deita primeiro. Seria tipo aqueles concursos de apostar onde a vaca vai defecar, mas mais limpinho. Parece-me uma cena boa porque os defensores dos animais não devem chatear-se muito, mas nunca se sabe bem porque esse pessoal é estranho.

Parece que já me estou a alongar um bocado. Deixei-vos aqui os melhores prémios para a área da biologia, por isso mais tarde quando me lembrar novamente, volto a este tema para vos falar de outros prémios igualmente ou mais parvos ainda, por isso não comecem a cuscar os restantes premiados, senão fico sem temas.

Tomate de Fraião