Capítulo Décimo Quinto – O Tomate vai à praia

Caros Cidadãos,

     A Europa está uma desgraça, a Grécia a falir, a Doutora Maria Barroso morreu, o Casillas está no Porto, ao que parece a Sara Carbonero não quer ir para lá, a Guerra dos Tronos só volta para o ano, e mesmo assim não tenho grandes ideias para o tema desta semana. E é por esta razão que vou falar sobre o verão em geral, e sobre os diferentes tipos de pessoas na praia em particular.

     Com esta subida de temperatura é um regalo sair à rua, sinto-me num programa do BBC Vida Selvagem. Existe uma variedade de espécies à solta, não só no mais comum passeio ou rua, mas sobretudo nas praias. Quando se chega ao local escolhido para se passar uma agradável tarde de domingo, besuntado de protetor solar e esperançoso que esteja um tempo favorável a isso, existem vários contratempos que se encontram no nosso caminho.

Dificuldade em chegar à praia

     Não sei se é mal comum, mas parece que toda a gente vai para a mesma praia que eu. Pior! Parece que cada elemento da família levou o seu próprio carro. Seja na fila para chegar ao parque de estacionamento, seja no parque de estacionamento propriamente dito. Depois de se chegar à praia, por vezes, fica-se com a ideia que as pessoas foram estacionar lá de propósito e foram fazer uma caminhada de vinte quilómetros em direção a algum restaurante.

Dificuldade em arranjar local para a toalha

     Depois da tarefa hercúlea de estacionamento do carro, segue-se o estacionamento da toalha. Claro que esta tarefa vai sendo dificultada com o avançar da hora. E com este avançar da hora quero dizer que a partir das onze, horinha do cancro, já não existe espaço para toalhas. Não existe por diversas razões. Entre famílias inteiras com direito a para-ventos, guarda-sóis, arcas frigoríficas, fogareiros ou Boeings 747, ou os saradões da praia, saídos da última edição da casa dos segredos, a jogar o seu futevólei ou lá o que é aquilo, com o campo marcado no chão. Ai de quem poise uma toalhinha naquele espaço, leva logo uma bolada nas trombas. Quando não é uma bolada é um guarda-sol, porque alguém não conseguiu enterrar (ou enarear se é que isso existe) aquela porcaria devidamente.

Espécies Raras

     Esperava eu que fossem raras, mas nestes dias nem são tanto quanto desejado. Existem vários tipos de pessoas que frequentam as nossas praias e eu vou tentar elaborar uma lista. Preparem-se para me acusar de body shaming, bullying ou de ser antiquado, mas neste momento já estou muito embrenhado nesta descrição.

     Já vos falei dos saradões, com os seus corpos esculturados, calções como cuecas ou sungas como fio dental, exibem os seus abdominais, peitorais ou pernas. Trabalharam para aquilo o ano todo, há que mostrar. Quando se levantam da toalha fazem umas dez ou vinte flexões, e vão até à água sem respirar, só para andarem bombados. Não se esqueçam da tatuagem, a rica da tatuagem.

     E eles impressionam quem? A bela da menina saradona, aquela que exibe os seus enormes glúteos que teimam em comer o bikini que compraram dois números abaixo. Também ela se candidatou à última casa dos segredos, mas como ainda não tinha faturado um número considerável de celebridades não foi aceite.

     Depois há o reverso da medalha, os que não trabalharam o seu escultural corpo. Ou melhor, trabalharam tanto que inchou. Quem nunca viu um senhor com os seus cem quilos, respectivo colete de pelo e a bela da cueca do speedo a condizer? Ou a menina dos cento e vinte com a mesma cueca engolida pelo enorme traseiro? Mas ninguém lhe diz nada, ou porque não tem amigos sinceros ou porque podem ser acusados de ser muito conservadores.

As crianças

     O maior flagelo das nossas praias. Podíamos ter tubarões, salmonelas, piranhas ou caranguejos assassinos mas não, temos crianças! Não estou a falar das crianças muito calminhas a fazer o seu castelo na areia, estou a falar daquelas que não param de correr, atiram areia para cima das pessoas e não param de berrar. Nem todos os tubarões matam gente, mas há uns que estragam a fama de todos. E ai de quem diga alguma coisa aos meninos, porque eles são o melhor do mundo e a infância é para ser vivida. Claro que é, mas os pais quando os levarem para a praia que lhes comprem uma Nintendo para eles se entreterem e não chatearem ninguém.

Ir à água

     Sabe sempre bem ir à água num longo dia de verão em que se apanha sol. Mas a água nunca está boa. Ou muito fria, ou muito quente, ou muitas ondas, ou muito calma, muitas rochas, poucas rochas, muitas algas, poucas algas (nunca ouvi ninguém queixar-se da falta de algas, mas fica aqui por motivos de escárnio). Há sempre alguém que se queixa e que aquela praia na cochichina é que era espetacular. Claro que ele podia ter avisado mais cedo, mas não queria uma tamanha responsabilidade.

O retorno a casa

     Se forem de manhã e conseguirem arranjar lugar facilmente, provavelmente na hora de voltarem ao carro têm um vermelhão e cancro da pele em quatro locais distintos do corpo. Caminhar descalço na areia a fervilhar é outro tormento. Não bastavam os cancros nas costas, ainda se arranjam queimaduras de terceiro grau na sola dos pés. Mas escusado será dizer que as pessoas que foram almoçar ao tal restaurante a vinte quilómetros também têm de voltar a casa, portanto preparem-se para mais uma longa fila de espera. À espera no vosso rico carrinho, que deve estar a quarenta graus, com um escaldão nas costas e com areia dentro dos calções.

Ai que ir à praia é uma experiência enriquecedora!

Tomate do Bárrio

Ó Tomate, tu deves ser muito estranho na praia.

Provavelmente sim, esta lista implicou muita observação, por isso eu devia parecer as pessoas assustadoras que olham para tudo e todos, outra categoria.

Anúncios

2 thoughts on “Capítulo Décimo Quinto – O Tomate vai à praia

  1. E o trânsito para voltar a casa? xD Abaixo as nintendo e os joguinhos de pokemon para as crianças! única parte do post que não concordo 😛 Podias ter falado da parte do xixi que também é engraçada ahahah

    Gostar

    1. A sugestão da consola baseia-se no fato da minha ignorância em relação à legislação da administração de sedativos a crianças. Creio ser ilegal XD

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s