Capítulo Sétimo – As desventuras do Capitão MC Pikachu

     Meus nobres leitores, saúdo-vos com grande estima e agradeço a vossa retoma a esta nossa saladeira.

     Nestas semanas as festas académicas estão por todo o lado, e com elas começa a tour do Tio Quim. O homem vai a todo o lado com o seu bigode muito bem tratado, não sei como ele consegue. Mas o que interessa nestas alturas é ser javardão e cantar umas músicas picantes. O Tio Quim tem o toque de Midas no que à javardice diz respeito, consegue fazer músicas cativantes e suficientemente codificadas para que apenas as mentes mais perturbadas lá cheguem. Eu só percebi o verdadeiro sentido do chefe da culinária há pouco tempo. Claro que existem também as Rosinhas que tendem a ser um pouco mais diretas na abordagem. E numa indústria que precisa de espaços, onde existem homens e mulheres têm de existir crianças. Em tempos existiram crianças javardonas em Portugal, sendo exemplo o pequeno Saul, que apenas percebeu o sentido das músicas que cantava quinze anos depois; aquela cara não dava para mais. E é aqui que chego ao tema que vos quero trazer hoje, o funk ousadia ou funk erótico ou funk picante. Pensam vocês que as músicas do funk brasileiro são todas viradas para a balada e com muita promiscuidade lá pelo meio. Por mim tudo bem, e até concordo. Mas o que vocês não sabem é que os maiores “artistas” deste ramo musical são crianças de 10 anos. Sim, o MC Brinquedo e MC Pikachu são as Anas Malhoas lá da zona. O que mais me choca é que estas coisas têm repercussão e não são simplesmente abolidas.

Tava no fluxo

Avistei a novinha no grau

Sabe o que ela quer?

Pau, pau, pau, ela quer pau

Pau, pau, pau, ela quer pau

     E não escrevo mais porque tenho vergonha e a minha mãe ainda pode ler isto. Mas atentem na resposta orquestrada por dois ícones desta arte, MC Princesa e MC Plebeia:

Tava no fluxo,

Eu sarrei e sentei na piroca.

Sabe o que ele quer?

Xota, xota, xota. Ele quer xota

     O MC Pikachu ainda nem bigode de leite deve ter e já avista novinhas no grau, onde quer que isso seja. Eu sei que parece recorrente e que estou sempre a dizer que esta juventude está perdida, mas no meu tempo o Saul não se safava com uma música destas. Aliás ele nem com uma música de jeito se safou e agora ninguém sabe dele.

     O Ministério Público brasileiro já abriu um inquérito a esta nova prática. Isto é quase um atentado à liberdade de expressão, diz o pessoal do BE que me está a ler. Se calhar deixa de ser quando a causa está na MC Melody e nos seus 8 anos. Por favor, deixem os putos brincar e não lhes deem um microfone para a mão, sobretudo se tiverem as orelhas grandes, pode correr mal para os lados deles.

     Esta semana o texto é curto. A pesquisa do mundo funk a que este texto me obrigou deixou marcas, principalmente nos ombros. Marcas do sangue que se me esvaiu pelos ouvidos.

Se liga DJ, esse baile tá uma uva

Se liga DJ, esse baile tá uma uva

Tá chovendo perereca, meu pau virou guarda-chuva

Tá chovendo perereca, meu pau virou guarda-chuva

Tomate do Bárrio

Anúncios

One thought on “Capítulo Sétimo – As desventuras do Capitão MC Pikachu

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s