Capítulo Terceiro – O Extremismo

     Um assunto que me irrita e que me causa uma certa comichão é o extremismo. E nem estou a falar do extremismo religioso, porque esse é perigoso e eu não tenho colete à prova de balas. Estou a falar dos extremistas do dia-a-dia, gente que não tem meio-termo e que para eles tudo é uma questão de vida ou morte. Esta espécie tem um habitat restrito, que por norma se confina ao facebook. É lá que todas as suas frustrações são despejadas e todo o ódio surge do nada, pela mais mísera razão.

     Antes de começar a desancar neles, ou em vocês se estiveram enfiados nesse grupo, quero dizer que sou a favor de toda a igualdade, de género, racial, étnica, e por aí fora, menos clubística, porque essa é estúpida e o Porto é o melhor!

      Não vou falar dos trolls que vão para as redes sociais apenas com o intuito de incendiar com comentários que não lembram a ninguém, do género “a Ana Malhoa é a melhor artista contemporânea”, toda a gente sabe que não, apenas é a melhor artista do estilo que criou e que mais ninguém aderiu ainda. Não vou falar deles, porque essa gente tem problemas e eu respeito as deficiências. Quero falar de pessoas que acreditam no que escrevem e que lutam com todas as armas com as pessoas que pensam o contrário. Neste texto vou incluir três grandes grupos, os clubistas, os defensores dos animais e as feministas/feminazis.

Clubite aguda:

     Sou portista! Gosto muito de ver jogos do F.C. do Porto e cada vez que jogo alguma coisa de futebol como o PES ou o FM, o Porto mais tarde ou mais cedo ganha a Champions, nem que seja com batota. E era agora que, se este post tivesse sido escrito no facebook, eles apareciam. “Porque ah e tal e a fruta, ah e tal e os árbitros, ah e tal e o Pinto da Costa”. Sempre ouvi isto e penso que vai durar muitos anos. Mas se pedir a alguém para ver um jogo em direto do clube deles, qualquer falta a favor deles é expulsão e os jogadores da equipa contrária são sempre Marias Amélias (as feministas que esperem). Apesar de gostar do meu clube, gosto mais de futebol e de discutir futebol, não tenho paciência para gente com palas que só vê o lado deles. E se durante essa discussão fizeram alegações como: “porque no Porto-Boavista da época 1945/46 o Fary foi derrubado na área e nada foi assinalado”, são oficialmente doentes e precisam de ajuda.

Animais por afeição:

     Gosto muito de animais, acredito nos direitos deles, e se vir um gatinho morto na beira da estrada sinto um arrepio, porque podia ser o meu. Mas as pessoas que partilham vídeos de gatos e cães a serem massacrados na China, ou que foram de propósito a Espanha fazer uma manifestação por causa de um cão que seria abatido por viver com alguém com ébola precisam de rever as suas prioridades. Na minha mera opinião, a maior regra sob a qual uma pessoa deveria viver era a regra do bom senso, coisa que me parece que estas pessoas não têm. Partilhar vídeos de animais a morrer não me parece adequado a uma rede social, e nem estou a falar das pessoas que podem ser facilmente chocadas com as imagens, estou a falar da falta de consequência que isso tem, em casos internacionais. O amigo de X não se vai levantar e correr para a China para fechar a fábrica. As redes sociais em Portugal apenas têm a consequência política de demissão de algum Secretário de Estado, e acho que isso não salva gatos. A mobilização de pessoas contra o abate do cão que poderia ter ébola também é incrível, não só por ser absurdo mas também porque poderiam ficar todas infetadas por lá estarem perto. “Mas ficou provado que não existia risco de contágio”. Pois ficou, mas se eu fosse o Secretário de Saúde de uma cidade e me dessem uma escolha em cima do joelho, uma escolha em que realmente podem morrer pessoas, eu faria o mesmo que ele. Também era bonito os testes em animais serem abolidos. Era então que as ciências farmacêuticas/biomédicas paravam no tempo ou começavam a usar cobaias humanas. Espera, isto era ser nazi, não pode ser. Fiquemo-nos pelos ratinhos então. Das galinhas ninguém fala, daquelas que vivem num espaço apertadinho, que essas dão jeito no assador.

Feministas/Feminazis:

     Falta de bom senso! Já me estou a repetir eu sei, mas as feministas extremistas são incríveis. Devo admitir que neste caso tenho pouco voto na matéria porque nunca vi nenhuma mulher a ser discriminada por ser mulher. Acredito que exista discriminação, e não me venham dizer que a violência doméstica é um caso só de mulheres porque eu sei ler estatísticas e sei que há homens que também levam umas boas vergastadas. Como já viram eu só falo de casos extremos e que se destacam por serem parvos. Neste caso existem dois que precisam de ser relembrados. Entrar numa barbearia só de homens com caras tapadas e causar o caos parece-me meio caminho andado para provar que o nosso ponto de vista é o mais correto. É como as claques que chegam às estações de serviço de cara tapada, só querem ter uma conversa sobre o tempo e comer uns Bollycao. Eu também queria ir para os VivaFit, por questões de saúde, mas não me deixam entrar. Sou discriminado? Sim, mas se entrasse por lá dentro a armar barraco levava com o rótulo de pervertido e não de masculinista, se é que isso existe. Ou, e esta é genial, alteração do nome do cartão do cidadão para “Cartão de Cidadã”. Porque não alargar a petição e fazer uma reestruturação do acordo ortográfico? Porque “génio” também não tem feminino, será discriminação? Se calhar é. Podia invadir a Assembleia da República! Mas quando lá chegasse diziam-me, “Monstro também é para trocar?”, e era então que achava que se calhar já não é preciso, porque não existem mulheres monstras e a igualdade é só para as coisas boas. E se repararam bem, usei o termo masculinista, porque machista é sempre pejorativo (quero ver onde anda a petição disto).

     Como já disse, sou a favor da igualdade e dos direitos, mas com pés e cabeça!

Ó Tomate, não estás a ser extremista com este texto? É que não aceitas o lado deles.

Estou sim, todos somos extremistas à nossa maneira, uns são é mais irritantes que os outros!

     E esta semana:

Je suis Salade de Tomates

Tomate do Bárrio

P.S. – Se quiserem usar argumentos extremistas, eu fui pondo a negrito os melhores. Estão à vontade para copiar.

Anúncios

One thought on “Capítulo Terceiro – O Extremismo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s