De 2014 a 2015

Boa tarde, Boa tarde!

2014 trouxe-nos bom cinema que me deixou de olhos arregalados! Tivemos verdadeiros exemplos de inovação que vão ficar, certamente, para a história.

Começamos então o ano num Hotel europeu com uma gigante produção e montagens que só Wes Anderson e uma criança de 4 anos nos sabem proporcionar. Seguimos quase até ao verão passando por super heróis e por verdadeiros temas lamechas e maricas com pessoas doentes à luz das estrelas (confesso que este filme fez-me sentir como se me arrancassem um pelo do nariz, verti uma lágrima). O ano foi acabando com o Ben Affleck a ser miserável, em busca da sua mulherzinha loira, que é simplesmente, SÓ a maior b*tch que já alguma vez existiu! Seguindo-se com uma viagem ao espaço para observar cenas que não lembram ao diabo, com aquele actor muito bom do “Como perder um homem em 10 dias”, proporcionando-nos muitos momentos, atrevo-me a dizer geniais e de comer o cérebro. Depois eis que um brilhante matemático resolve a segunda grande guerra e outro espetacular físico vai perdendo a mobilidade e fica preso numa cadeira de rodas. Mas a cereja no topo do bolo foi mesmo a inclusão de um homem-pássaro em cuecas com alucinações, um brilhante baterista com um professor, vá lá exigente, e o crescimento atribulado de um adolescente feio durante 12 anos. (MAJOR SPOILER ALERT: de notar que este puto não bateu uma durante 12 anos de vida, o que prova que os homens também conseguem!)

Portanto, como podem ver, foi um grande ano, que mais uma vez provou que ser um ator fraco é um bom caminho para no futuro ser nomeado para óscar (Steve Carell). E inspirando-me no maravilhoso 2014, escrevi o meu próprio script que provavelmente vale milhões:

“Um adolescente feio que gosta de tocar bateria casa-se com uma mulher psicopata. Como ambos sofriam de alucinações e andavam sempre de cuecas, inscreveram-se numa missão para ir explorar o espaço, e lá conseguem ver cenas que não lembram ao diabo, tipo buracos negros e quintas dimensões. Após 12 anos no espaço, e durante essa mesma missão, eles inventam alta maquina para decifrar palavras e assim resolver a 34ª guerra mundial e vencer o terrível Homem-pássaro, no entanto o nosso herói fica gravemente ferido e numa cadeira de rodas. Depois voltam para a terra e vão passar umas férias a um hotel em Budapeste. PLOT TWIST: ele estava a sonhar, e nada tinha acontecido, porque era feio, e a única coisa que fazia era esgalhar o Exterminador Implacável! (sim! é o nome que dou ao meu)”

Esta história tem direitos e já está registada, por isso não roubem!

E assim 2014 deixa a sua marca, e Birdman, Whiplash, Theory of Everything, Interstellar, Gone Girl, Boyhood, The Grand Budapest Hotel, The Imitation Game e muitos outros, vão certamente ficar para a história do cinema contemporâneo.

Chegamos então ao novo ano, e como se costuma dizer, ano novo vida nova. Ano novo, filmes novos (ou não). 2015 teve um arranque estrondoso, pelo menos em termos de bilheteiras. Começamos logo em grande com Fifty Shades of Grey! Aquele filme tão esperado, tão falado e tão perverso. Eu só consigo imaginar a quantidade de maluqueiras e novas modalidades que a maior parte dos portugueses inseriram nas suas aventuras debaixo dos lençóis! (Imaginar sim, porque essas coisas são estranhas para gente solteira)

Mas vá, deixando de falar de coisas tristes e terríveis no mundo cinematográfico, 2015 promete e promete. É o ano das sequelas, é o ano de retomar grandes títulos que ficaram na história. Será isso bom? Talvez, mas a probabilidade de sair bodega é elevadissima. Aliás, poucas são as sequelas que superaram os originais, e poucas são as que realmente satisfizeram os seus fãs mais hardcore, temos o exemplo das prequelas de Star Wars, as continuações de The Hangover e a tentativa de fazer um Jaws 2, 3 e 4, entre outros. Ainda assim alguns casos excecionais como Aliens e Terminator 2: Judgment Day provam que é possivel fazer boas sequelas. As sequelas são então maioritariamente feitas pela ganância e a vontade de fazer dinheiro – o pior inimigo das grandes histórias, e este ano vai estar cheio delas. O ano já teve a sua estreia com o terrível Taken 3, um filme que claramente não merece usar o nome de um brilhante thriller de ação de 2008. Entretanto já é possível ver Insurgent (saga Divergent) no cinema e esta semana temos a estreia de Fast & Furious 7, o derradeiro e ultimo filme de Paul Walker. Mas o ano só agora é que está a começar, e algumas das sequelas mais importantes e mais esperadas da década estão para chegar. Star Wars, Magic Mike, Jurassic Park, The Hunger Games, Ted, Avengers, Terminator, James Bond, Mission Impossible, são alguns dos exemplos que vão receber uma sequela e que vão preencher os calendários e as salas de cinema em 2015.

Quais as expectativas? Bem, começando então com Star Wars: The Force Awakens, a Disney está a tentar dinamizar ao máximo este franchising e contratou um realizador de renome. Acho sinceramente que J.J. Abrams (Star Trek, Super 8) vai estar à altura. Mas só o saberemos após a sua estreia no cinema. Até lá, uma coisa é certa, o elenco é vencedor (Harrison Ford, Mark Hamill e todo o antigo cast) e a continuação do fio condutor original de Star Wars é uma boa aposta (estreia a 17 de Dezembro).

Jurassic World é o meu filme de infância! Aquele que vi vezes sem conta e que magicamente me fazia sonhar e vibrar com o mundo dos dinossauros. Finalmente vai ter outra sequela, catorze anos após o miserável Jurassic Park III de Joe Johnson. Infelizmente esta sequela tem tudo para correr mal, um realizador pouco experiente, uma história desinteressante que promete falta de originalidade, e dois ou três atores que estão na “moda”! Quem desejava um regresso do Dr. Ian Malcom fica já a saber que nem ele, nem nenhum dos principais personagens regressará nesta sequela (estreia a 11 de Junho).

Arnold Schwarzenegger regressa também com uma das suas personagens mais icónicas, He is back! mas should he be back? Eu penso que não. Já chega, a saga já morreu, tanto Terminator III como Terminator: Salvation falharam e não foram claramente grandes apostas. Desta vez com uma tentativa de reiniciar todo o sistema e impedir o domínio das máquinas. Uma cambada de atores conhecidos e (desculpem a repetição) que estão na “moda”, vão circular entre o passado e o futuro para colocar toda uma série brilhante em risco, já que os acontecimentos terão lugar entre o primeiro e segundo filme. Espero estar enganado e espero que Terminator: Genesys me surpreenda pela positiva (estreia a 2 de Julho).

Sam Mendes apenas nos brinda com grandes filmes, e Skyfall, além de brilhante, trouxe-nos um Bond mais pessoal e mais interessante, com incríveis cenas de ação e com grandes interpretações. Spectre, entra assim nos filmes mais desejados de 2015 e promete trazer Bond em grande forma (estreia a 23 de Outubro).

Por último, Mission Impossible é uma série com os seus altos e baixos, e promete regressar em grande forma. Ghost Protocol (para já, o melhor da série) não desiludiu e trouxe um grande Tom Cruise com um filme cheio de ação e puro entretenimento. Só nos resta esperar e aguardar que a qualidade se mantenha e que Rogue Nation seja tão bom como o seu antecessor. O filme já promete com a stunt mais arriscada de sempre da história do cinema, protagonizada pelo próprio Tom Cruise (estreia a 13 de Agosto).

Bem quanto aos outros, não tenho nada a acrescentar, já todos sabemos o que esperar. Claramente vão ser só sequelas de renome, e nem sequer tenho capacidade de falar delas todas. Mas não são só sequelas, lá para o fim do ano Iñárritu (Birdman) volta com The Revenent na companhia de Leonardo DiCaprio. Cameron Crowe (Almost Famous) volta com Bradley Cooper e Emma Stone no seu elenco para trazer Aloha e Tarantino traz-nos uma das suas últimas peliculas The Hatefull Eight.

Claramente haverão muitos mais filmes e até lá ainda falarei destas novidades. Para já, ficam apenas os nomes para vos aguçar o bico.

Como não tenciono recomendar filmes que toda a gente vê, aqui fica um dos filmes que mais gostei de ver no ano de 2014. Maravilhem-se e comentem esta grande película de baixa produção.

I Origins (2014)

ioriginsUm drama misterioso, onde Deus e a ciência se confrontam! Do novíssimo Mike Cahill, um filme que surpreende tudo e todos.

Interpretações: 7/10

Historia: 10/10

Produção: 7/10

Nota Final: 8/10

Adeus, Adeus!

Tomate de Ferreiros

Anúncios

3 thoughts on “De 2014 a 2015

    1. Caro “Sal”, o Tomate de Ferreiros tem sempre algo para dizer, nunca vai desiludir!
      Quanto ao metal liquido é um bom avanço, mas ainda falta muito para atingirem a potência do meu “exterminador implacável”.

      Saudações dos Tomates

      Gostar

  1. Sim senhor. Grande post!
    Fiquei com vontade de ver uns filmes. Não tenho é tempo… O pouco que tenho, aproveito sempre para ir revendo o Gravity. Isso sim, é um bom filme!

    Gravity… Estás cá dentro (a bater com a mão no peito)

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s